Oscar Cardozo Ocampo e o Piano Paraguayo

Esta proposta se estrutura em torno da figura do músico argentino-paraguayo Oscar Cardozo Ocampo, mais especificamente, de seu álbum Piano Paraguayo. Gravado em 2001, o álbum é formado por releituras de composições dos principais compositores deste país, como Demetrio Ortiz e José Asunción Flores. Sua transcendência para determinado segmento da música popular paraguaia, sobretudo a música instrumental não-tradicional, está ligada, por um lado, à transcendência da própria família Cardozo Ocampo, e, por outro lado, pela maneira como o repertório tradicional que o compõe é interpretado à luz de procedimentos extraídos do jazz e da música de concerto. A abordagem ao álbum será realizada a partir de distintas perspectivas, tanto teórico-metodológicas, quanto temáticas. Os recursos composicionais e interpretativos empregados nos arranjos (forma, reharmonizações, tratamento melódico, etc.) serão discutidos desde um viés analítico-musical. Ao mesmo tempo, o álbum será situado historicamente no cruzamento entre trajetória individual e formação da música popular no Paraguai. A instauração da ditadura Stroessner, em 1954, teve consequências importantes para a vida musical do país. Por um lado, estimulou certa produção de viés “folclórico” tanto como meio de construção de símbolos identitários quanto como veículo de propaganda. Por outro lado, levou ao exílio músicos renomados do período anterior de formação da música paraguaia, como José Asunción Flores e Mauricio Ocampo (pai de Oscar). Exilados na Argentina, esses músicos deram continuidade a seus trabalhos com a música de seu país natal. É durante a década de 1960 que Oscar Ocampo produz intensamente, integrando uma geração de músicos envolvidos com a chamada “música de projeção folclórica”. Este fenômeno musical é caracterizado pela modificação estilística e formal dos gêneros populares argentinos através da incorporação de referenciais advindos do jazz e da nova sonoridade fornecida pelos instrumentos elétricos junto às modificações no processo de gravação. Todas estas transformações contribuíram para o processo de “modernização” da música popular argentina, até então fortemente arraigada em sua tradição folclorista. Assim, conflui em sua biografia processos históricos relativos ao desenvolvimento da música popular paraguaia com tendências modernizadoras colocadas em prática na música popular do país vizinho. O Piano Paraguayo é uma expressão de como tal confluência se traduz em procedimentos musicais, de maneira que a abordagem analítica anteriormente mencionada é conduzida também à luz da abordagem histórico-biográfica. Em outras palavras, propõe-se discutir a idéia de modernização da música popular paraguaia cristalizada no álbum que é o mote desta proposta de mesa temática.

******

Oscar Cardozo Ocampo and Piano Paraguayo

This proposal is built upon the figure of the Argentinian-Paraguayan musician Oscar Cardozo Ocampo, more specifically, his album Piano Paraguayo. Recorded in 2001, it revisits traditional works written by the country’s main composers, such as Demetrio Ortiz and José Asunción Flores. The album’s transcendence to a specific segment of the Paraguayan popular music, above all the non-traditional instrumental music, is connected, on one hand, to the transcendence of the Cardozo Ocampo family itself, and, on the other hand, by the way in which its traditional repertoire is reinterpreted in the light of procedures derived from jazz and classical music. We will approach the album from distinct perspectives, ranging from theoretic-methodological to thematic. The compositional and interpretive resources employed in Ocampo’s arrangements (form, reharmonizations, melodic treatment, etc.) will be examined from an analytical perspective. At the same time, the album will be situated historically on the crossing of an individual trajectory and the development of popular music in Paraguay. The establishment of the Stroessner dictatorship in 1954 imposed serious consequences to the country’s musical scenery. On one hand, it stimulated a “folkloric”-oriented production both as a means of constructing identity symbols and as a propaganda vehicle. Conversely, it led renowned musicians from a previous historical period of the Paraguayan popular music, such as Asunción Flores and Maurício Ocampo (Oscar’s father), to exile. In Argentina, these musicians continued working on their native country’s music. Oscar Ocampo produces intensely during the 1960s, integrating a generation of musicians involved with the so called “music of folkloric projection”. This musical phenomenon is characterized by the stylistic and formal modification of popular Argentinian genres by incorporating references from Jazz and new sonorities provided by electric instruments and recent developments in the recording process (GUERRERO, 2014). These transformations contributed to the “modernizing” process of Argentinian popular music, hitherto strongly rooted in its folkloric tradition. Thus, Ocampo’s biography brings together historical processes related to the development of the Paraguayan popular music with modernizing tendencies put into practice in the popular music of one of Paraguay’s neighboring countries. Piano Paraguayo is an expression of how such convergence is translated into musical procedures, in such a way that the analytical approach previously mentioned is also conducted in the light of a biographic-historical approach. In other words, we propose discussing the idea of modernization of Paraguayan popular music crystallized in the album that is motto of this proposal.